Super User

Super User

Terça, 26 Janeiro 2021 18:31

ELETROENCEFALOGRAFIA

É um exame que analisa a atividade elétrica cerebral espontânea, captada através da utilização de eletrodos colocados sobre o couro cabeludo. Como a atividade elétrica espontânea está presente desde o nascimento, o EEG pode ser útil em todas as idades, desde recém-nascidos até pacientes idosos.

O objetivo desse exame é obter registro da atividade elétrica cerebral para o diagnóstico de eventuais anormalidades dessa atividade.

Terça, 26 Janeiro 2021 18:30

CONSULTAS EM NEUROCIRURGIA

Neurocirurgia é a especialidade médica que se ocupa do tratamento de patologias do cérebro, coluna e nervos periféricos de adultos, crianças, neonatos e, nos últimos anos, de fetos. Entre estas doenças citamos: hidrocefalia, malformações congênitas do sistema nervoso central, tumores, doenças vasculares, doenças degenerativas, traumas crânio-encefálicos e lesões raqui-medulares passíveis de abordagem cirúrgica, bem como do tratamento neurocirúrgico da epilepsia, da dor, das desordens dos movimentos (tais como a doença de Parkinson, as distonias, dentre outras) e de alguns transtornos psique (psicocirurgia).

A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), mais conhecida pela população como “pressão alta”, é uma condição que afeta 1 em cada 4 brasileiros adultos, atualmente. A doença pode ser causada por diversos fatores como hereditariedade, estresse, sedentarismo, alcoolismo e obesidade, e em consequência é a responsável por infartos, casos de insuficiência renal e até mesmo derrames cerebrais.

Uma pessoa com hipertensão é diagnosticada quando seus níveis de pressão arterial estão iguais ou superiores a 140×90 mmHg. É uma doença crônica – não tem cura, mas é possível ser controlada.

Como tratar?

Segundo informações de uma pesquisa realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 21,4% da população do Brasil com mais de 18 anos sofre com a hipertensão. A condição é silenciosa e diversos pacientes não descobrem no princípio, por não apresentar sintomas, e isso pode desencadear mais problemas.

Adotar hábitos de vida mais saudáveis é a única forma de prevenir e ajudar no tratamento da hipertensão. Para quem sofre com essa doença é necessário mudar o “estilo de vida”, além do controle feito com medicamentos.

Confira algumas pequenas modificações na rotina que vão te ajudar a controlar a pressão:

1- Reduza o sal

Consumir sódio em grandes quantidades leva à retenção de líquido no corpo, logo se dá um desequilíbrio e, com isso, o coração bate mais rápido e causa a hipertensão.

O recomendado, por órgãos como a OMS (Organização Mundial da Saúde), é que seja consumido apenas 6 gramas de sal por dia, o que corresponde a 1 colher de chá. Diante disso, é preciso ter bastante cuidado com a alimentação, diminuindo o consumo de alimentos com altos índices de sódio, como enlatados.

O hipertenso também pode substituir o sal por outros temperos – comida bem temperada não é sinônimo de comida salgada, fique atento.

2- Evite fumar

O cigarro possui diversas substâncias tóxicas que aumentam a pressão em instantes. Ele também é fator de risco para doenças cardiovasculares e inflamatórias, além do câncer. Parar de fumar é essencial para controlar a doença, o cigarro pode até mesmo invalidar o efeito do medicamento que está sendo ministrado para o tratamento da hipertensão.

3- Perca peso

A gordura corporal em excesso também influencia no aumento da pressão arterial. Grandes quantidades de gordura abdominal podem dobrar as chances de infarto e diabetes. Há uma conexão direta entre peso e pressão, por isso, ao controlar seu peso você está diminuindo os riscos de que a pressão aumente através desse fator.

Evite, principalmente, o consumo de alimentos muito gordurosos e aposte em uma dieta rica com variedades de verduras, legumes e frutas.

4- Reduza o estresse

A ansiedade e o estresse causam várias reações ruins para o organismo, podendo acelerar os batimentos do coração, contrair vasos e consequentemente afetar a pressão. Estar sempre estressado pode aumentar ainda mais a pressão do hipertenso, o que atrapalha o tratamento e aumenta o risco de infartos e AVCs.

Tente reduzir o estresse e a ansiedade do seu dia a dia com meditação, pilates e atividades físicas. Estas podem ser algumas das alternativas para aliviar sua carga emocional. Se nada ajudar, em casos mais sérios, procure sempre a orientação de um especialista.

5- Faça exercícios regulares

O combate ao sedentarismo é fundamental para lutar contra a hipertensão. A prática de exercícios físicos melhora a circulação sanguínea, controlando a pressão arterial e beneficiando o organismo como um todo.

Ao praticar atividades de forma regular, no mínimo três vezes na semana, você estará prevenindo inúmeras doenças. Caminhadas, exercícios aeróbicos e natação são boas opções para se exercitar, já práticas que envolvem o levantamento de pesos podem ser um risco.

O segredo é evitar exercícios muito intensos e praticar somente as atividades autorizadas pelo médico responsável pelo tratamento da sua hipertensão.

Outras recomendações

A hipertensão arterial, além de afetar o coração, pode resultar em problemas nos rins, na visão e até mesmo no cérebro. Com isso, seguir as orientações médicas é imprescindível. Os hipertensos podem levar uma vida muito mais saudável se adotarem os bons hábitos, que podem ajudar imensamente no controle da doença.

Outras atitudes também são importantes:

- dormir bem: uma boa noite de sono relaxa e permite que os batimentos cardíacos voltem ao normal;
- diminuir o consumo de bebidas alcóolicas: exagerar na bebida pode afetar sua pressão arterial, bem como o restante do organismo;
- tomar seus medicamentos: siga as orientações do seu médico e não interrompa a medicação que controla a pressão e nem desrespeite os intervalos corretos da ingestão.

Check up completo

Mesmo tomando todos esses cuidados é preciso manter uma regularidade nas visitas ao médico e na realização de exames. Para prevenir ou controlar a hipertensão, esteja com seu check up em dia! Na Tomocenter você encontra excelente estrutura e uma equipe bem preparada para fazer a revisão completa da sua saúde. Agende já seus exames!

 

Os dias estão cada vez mais corridos, mas antes mesmo de entrar em uma rotina é preciso fazer planos, traçar metas e, claro, incluir os cuidados com a saúde nessa lista. Não deixe para amanhã, pelo contrário, a saúde deve ser prioridade. Agende um check-up médico e viva um ano mais tranqüilo.

O check-up envolve exames regulares e específicos que são de fundamental importância para diagnosticar precocemente possíveis doenças que se instalam de forma silenciosa, como o diabetes, hepatite, osteoporose, hipertensão, alguns tipos de câncer e os aneurismas.

Neste texto, vamos destacar como tema o aneurisma, principalmente, o cerebral. Conheça mais sobre essa doença e importância de um diagnóstico precoce.

Como ocorre um aneurisma?

Os aneurismas ocorrem quando parte da parede de uma artéria enfraquece e dilata. Eles podem ocorrer em qualquer artéria do corpo: do coração, do rim, do abdômen e do cérebro. O aneurisma das artérias cerebrais é também chamado de aneurisma sacolar.

O cérebro é uma estrutura bastante complexa com um número enorme de vasos que percorrem por todo esse órgão. Ele é responsável por regular a maioria das funções do corpo inteiro, por isso, merece ainda mais atenção e cuidados.

O que é um aneurisma cerebral?

Aneurisma cerebral ou sacolar é uma dilatação anormal e permanente em um dos vasos sanguíneos do cérebro. Ele surge como um saquinho (semelhante a uma bexiga de borracha), que se forma na parede enfraquecida de uma artéria cerebral.

Na teoria, se essa dilatação for pequena, não existem grandes riscos. Mas, dilatações maiores nas artérias podem gerar problemas mais graves, caso haja um rompimento do mesmo.

A ruptura de um aneurisma provoca uma hemorragia e, de acordo com o tamanho e quantidade de sangue espalhado para dentro do crânio, será definido o grau de gravidade.

Causas

Algumas pessoas podem nascer com predisposição à formação de aneurismas, caracterizada pela fraqueza na parede da artéria. Apesar dos fatores genéticos serem apontados como causas do problema, entende-se que os fatores externos estão diretamente ligados ao seu desenvolvimento. Os mais significativos são o fumo e a hipertensão não controlada com medicamentos.

Outras condições que elevam o risco de desenvolver aneurismas são o consumo abusivo de álcool, drogas e traumatismos.

Sintomas

Normalmente, os aneurismas pequenos são assintomáticos, sendo descobertos em um exame de diagnóstico de rotina, como a tomografia computadorizada. Quando o aneurisma cresce pode comprimir uma estrutura do cérebro e provocar sintomas de acordo com a área afetada, gerando dores atrás do olho, pupilas dilatadas, visão dupla e formigamento no rosto.

Após o rompimento de um aneurisma, os sintomas aparecem de maneira mais evidente, como: dores de cabeça muito intensas e repentinas, que podem piorar com o tempo, convulsões, desmaios, náuseas e vômitos.

A intensidade dos sintomas está diretamente ligada ao tamanho do aneurisma e com a extensão do sangramento. Sendo que, sangramentos abundantes podem ser fatais.

Tratamento

O tratamento do aneurisma dependerá do tamanho, sua localização e se foi rompido ou não. O histórico do paciente e exames específicos também auxiliam na indicação de qual a melhor conduta médica.

A cirurgia é indicada, normalmente, em casos de aneurismas rompidos. Em situações de não rompimento, existe um risco muito grande de que isso ocorra durante a cirurgia. Por isso, os médicos indicam procedimentos que reduzam as chances de rompimentos futuros como o tratamento para o controle da pressão arterial e revisão de hábitos, buscando sempre promover a qualidade de vida do paciente.

Quando o aneurisma sofre uma ruptura, trata-se de uma urgência médica. É preciso ir imediatamente ao hospital para iniciar o tratamento adequado. A prontidão no atendimento do paciente pode minimizar ou evitar sequelas.

Prevenção e exames

Uma das principais características do aneurisma é a sua presença silenciosa. Portanto, o acompanhamento médico regular e a realização de exames específicos são indispensáveis para evitar conseqüências mais sérias.

A suspeita de um aneurisma cerebral pode vir do histórico do paciente, eventuais sintomas e também durante a avaliação clínica, que pode identificar anormalidades neurológicas, como o aumento da pressão dentro do crânio.

Porém, a confirmação do diagnóstico depende da realização de exames de imagem, como a tomografia computadorizada e a ressonância magnética. Através deles é possível visualizar a presença da hemorragia, de coágulos, entre outros.

O diagnóstico precoce é fundamental para evitar o agravamento de doenças como essa. Faça visitas regulares ao médico neurologista, principalmente diante de histórico familiar. Além disso, check ups periódicos também são decisivos na prevenção de doenças. Não adie os cuidados com a sua saúde.

 

Copyright © 2022. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Echosis Marabá

Search